Escolha uma Página
10 Dicas para melhorar o fluxo de trabalho no SketchUp

10 Dicas para melhorar o fluxo de trabalho no SketchUp

SketchUp é um dos softwares de modelagem 3D mais utilizados na comunidade criativa internacional, graças a suas ferramentas intuitivas de trabalho e das constantes atualizações por parte dos usuários, tanto através de sua biblioteca de código aberto como o desenvolvimento de plugins.
Como qualquer ferramenta digital, as dicas e a frequência do uso permitem que o trabalho se torne mais organizado e rápido, obtendo, no caso do SketchUp, um ambiente de trabalho eficiente.
Por esta razão, apresentamos algumas dicas úteis para quem trabalha com o SketchUp.

01. Utilize a galeria do 3D Warehouse: revise e dê um “purge” nos modelos antes de importá-los

Existe um universo de modelos 3D feitos por outros usuários disponíveis para download a partir do site e que podem realmente aumentar a velocidade de construção de um modelo próprio. Para evitar incorporar informação adicional como linhas, camadas e materiais – que só aumentam o peso do arquivo – é necessário dar um “purge” dos modelos antes de acrescentá-los ao seu arquivo.

via SketchUp.

 

02. Posicione o modelo corretamente no espaço

A georreferenciação do projeto permite realizar estudos solares, que são a base inerente de uma boa proposta de arquitetura. Se deseja precisar a posição do modelo 3D, é possível acessar em Janela>Informação do Modelo>Geolocalização>acrescentar localização>definir localização manualmente.
Qualquer que seja o motivo do posicionamento, também temos que levar em conta o fuso horário de cada localização.

Modelo 3D: Fabián Dejtiar via SketchUp.

 

03. Utilize plugins e revise os novos complementos em Extension Warehouse

Os usuários de SketchUp desenvolveram uma variedade de plugins que não funcionam apenas para solucionar os problemas de cada versão, mas também exploram ao máximo o potencial de suas ferramentas, incorporando novos instrumentos de modelagem 3D. As extensões vão desde Solar North, que proporciona ferramentas para configurar a orientação do ângulo solar – que o software utiliza para calcular a posição do sol e fornecer as sombras adequadas – até Sketchy FFD, uma malha definida por uma série de pontos de controle em seus vértices e arestas que permite manipular as dimensões do objeto selecionado.


Modelo 3D: Fabián Dejtiar via SketchUp – Plugin Solar North.

 

04. Organize e salve sua configuração da barra de ferramentas

Ter um ambiente de trabalho personalizado à suas necessidades e preferências não é pouca coisa; é necessário ter tempo para organizar a barra de ferramentas e assegurar que sua configuração esteja salva para a próxima utilização. O resultado se traduzirá em um considerável aumento da velocidade de execução das tarefas, permitindo aumentar o tempo de dedicação à outro tipo de ações, como geração de alternativas e detalhes.

via SketchUp.

 

05. Utilize grupos e componentes para simplificar a edição e construção do modelo

A organização do modelo em grupos – de objetos, linhas ou figuras – é uma das características interessantes do SketchUp; criar um grupo é simples e rápido (botão da direita>criar grupo) e permite realizar uma edição particular de forma prática (entrando no grupo com duplo clique) evitando intervir nas demais figuras imediatas ao objeto. Um bom conselho é clicar duas vezes na superfície recém criada – para selecioná-la em conjunto com suas arestas – e criar o grupo antes de começar a utilizar a ferramenta Empurrar/Puxar ou qualquer outra modificação.

 

Modelo 3D: Fabián Dejtiar via SketchUp.

 

06. Use camadas, mas apenas a quantidade necessária

Utilizar e estabelecer um pequeno número de camadas onde reunir os grupos do modelo 3D é uma forma possível de trabalho que facilmente permite reconhecer uma ordem das partes como também selecionar quais elementos visualizar na tela. Ocultar as camadas que não estão sendo utilizadas (Janela>Camadas) é um conselho útil para acessar de forma cômoda certas partes do modelo, e ao mesmo tempo permite aumentar a velocidade de resposta na visualização.
Ao importar elementos criados com outros formatos, ou criados por outros usuários, normalmente a informação das camadas se transfere ao novo arquivo/modelo, por isso se faz necessário reorganizar a informação para eliminar/reduzir os dados em excesso e assim facilmente selecionar o que se deseja – ou não – visualizar.

Modelo 3D: Fabián Dejtiar via SketchUp.

 

07. Faça referência a outros pontos do modelo e crie guias

Na hora de criar ou duplicar elementos num modelo de SketchUp, a utilização de pontos, objetos ou guias de referência é uma boa opção para que isso ocorra de forma precisa.
Se deseja copiar um objeto com um ponto de referência, é necessário selecionar o elemento a duplicar, eleger o ponto de referência no espaço e então apertar a tecla Ctrl para ativar o modo de cópia. No caso de gerar outro elemento de referência, é possível inserir uma guia ao selecionar a ferramenta ‘medir’ com a criação de guias ativadas (tecla Ctrl) e clicar no começo de uma aresta existente e em seu prolongamento.

Modelo 3D: Fabián Dejtiar via SketchUp.

Modelo 3D: Fabián Dejtiar via SketchUp.

 

08. Use atalhos do teclado

Como qualquer software de modelagem 3D, o uso do teclado permite um rápido acesso às ferramentas e às variações que cada uma delas permitem. Se existem atalhos pré estabelecidos, eles podem ser personalizados e editados (Janela>Preferência>métodos de atalho) de acordo com tuas necessidades.
É importante ler as diferentes ações e variações que te permite realizar as combinações de teclas, normalmente indicadas no setor inferior esquerdo da tela, dependendo de cada ferramenta selecionada.

Imagem de fundo: Wikipedia UserYomik70 Under Licensed CC BY-SA 4.0.

 

09. Utilize o estilo visual adequado para cada momento

SketchUp tem incorporado diferentes estilos gráficos de visualização que permitem desde gerar efeitos artísticos particulares – com interessantes resultados estéticos – ou visualizar geometrias ocultas e arestas posteriores. É necessário identificar especificamente o que precisas visualizar na construção do modelo 3D, porque cada estilo exige um processamento maior de informações por parte do computador, o que se traduz numa redução de velocidade de visualização e trabalho.
É aconselhável utilizar estilos padrão no processo de modelagem 3D, assim como desativar a visualização de geometrias ocultas, sombras e texturas/materiais.

Modelo 3D: Fabián Dejtiar via SketchUp.
 

10. Utilize o organizador de cenas para estabelecer e salvar pontos de vista

A opções do gestor de cenas (Janela>Cenas) permitem acrescentar, atualizar e eliminar pontos de vista propostos pelo usuário; gerando diferentes câmeras para eleger como comunicar ou entender o projeto, ou para posteriormente realizar um tipo de render ou animação.
No momento de eleger as vistas, “Posicionar Câmera” é uma ferramente útil que também nos acompanha no processo, permitindo ser mais precisos – através da escolha da altura do olho e do ângulo desejado – para então definir uma cena/ponto de vista fixo através do gestor de cenas.

Modelo 3D: Fabián Dejtiar via SketchUp.
Fonte:
Archdaily

Leia Mais

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

Designer brasileira ganha espaço no mercado europeu

Designer brasileira ganha espaço no mercado europeu

Luminária de parede Ipanema, com desenho em 3D, de peroba-do-campo e nogueira – Divulgação


RIO – Os olhos azuis da designer Gisela Bentes Simas são um mar de tranquilidade, mas sua personalidade, quanta diferença. Dinâmica, explica com paixão e uma torrente de palavras quais são os seus planos. Este ano, está sendo uma explosão: foi convidada a participar do Fuori Saloni, na Feira de Milão, a expor no Venice Design, em paralelo à Bienal de Veneza, a participar do leilão de uma poltrona de sua autoria em Paris e, last but not least, a exibir dez peças na London Design Week, em setembro, juntamente com Jader Almeida, Luiz Áquila e Julia Miranda.
— Sou fascinada por madeira, que, mesmo depois de cortada e transformada, continua viva — diz ela, acrescentando que a peça de que mais gosta é o lustre Norma, nome de sua mãe.
São oito cúpulas, representando ela própria e os sete irmãos.
— Ela dá luz e força à família — conta Gisela, que criou também a luminária de parede Ipanema, que parece uma escultura, feita de peroba-do-campo e nogueira.
Nascida em Petrópolis, a caçula da família começou como estilista aos 16 anos, formou-se em Letras e abriu uma loja multimarcas num casarão da cidade, comprando peroba-do-campo e pinho-de-riga de demolição, sem nem mesmo saber por quê. Tomou gosto e trocou a moda pelo design de interiores, cursando a Universidade Candido Mendes. Depois, radicada em Londres, onde vive desde 2009 com o marido e dois filhos, fez especialização na Central Saint Martins, uma das mais conhecidas escolas de design do mundo.
— Andando por Petrópolis, em 2004, vi um casebre com uma peça de Sergio Rodrigues. Intrigada, perguntei ao marceneiro que tipo de móveis fabricava. Ele voltou, mostrou um catálogo do designer e disse: “Tudo.” Era um dos que trabalhavam para Sergio — lembra.

Hoje, ele faz protótipos e trabalha exclusivamente para ela, que mantém um estúdio em Londres, o OPD (Original Practical Design). Suas peças, vendidas no Arquivo Contemporâneo, são produzidas na Elon Design e na Puntoluce, no Brasil, e na SPSS, em Portugal.
Fã do estilo escandinavo, Gisela acredita que, além de simples e belas, as peças devem ser utilitárias. E gosta de pensar que as suas são como pessoas, que a gente só conhece depois de conviver com elas.
— Depois de um tempo, e o tato é fundamental, o móvel vai se revelando — acredita a designer, que revela surpresas que surgem em algumas peças, como a mesa MV, que se abre no centro para acomodar louças e talheres.

Fonte:
O Globo

Leia Mais

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

A importância das redes sociais para a sua empresa

A importância das redes sociais para a sua empresa

As  redes sociais  se tornaram uma ferramenta de comunicação indispensável para qualquer empresa e isto envolve grandes vantagens e benefícios. Da mesma forma que as redes sociais tornaram-se agora uma parte vital do relacionamento com amigos, familiares e estranhos, as mesmas coisa acontece com as empresas com relação aos seus clientes.
A  importância das redes sociais  como  Facebook, Instagram, Twitter e Pinterest  é que eles se tornaram uma ferramenta de relação entre as empresas e seus clientes. A internet tem crescido exponencialmente na última década, ultrapassando meios tradicionais como a imprensa, rádio e televisão, e isso implica que a comunicação de uma empresa deve também avançar nessa direção.
O uso de  redes sociais  são vitais para um bom plano de trabalho, marketing digital e este então expressa em novos clientes e no aumento da quantidade de vendas.
São canais de comunicação que permitem uma grande promoção, pode ser usado gratuitamente e são uma excelente ferramenta para promover todos os produtos da marca, divulgar o propósito e missão da empresa, cobertura jornalística e até mesmo de se relacionar e fazer negócios com outras empresas ou para encontrar novos profissionais.
Eles também servem como elemento de ligação para aumentar o tráfego de visitantes na página Web institucional. As possibilidades de utilização destas plataformas pode ser infinito, por isso é importante procurar todas as alternativas reais para ter uma maior presença na Web.

Leia Mais

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

Concurso Nacional de Paisagismo Urbano está com inscrições abertas

Concurso Nacional de Paisagismo Urbano está com inscrições abertas

Numa iniciativa da ANP – Associação Nacional de Paisagismo e Prefeitura de São Paulo, com o apoio e organização da Francal Feiras, estão abertas as inscrições para o 5º Concurso Nacional de Paisagismo Urbano – ANP – Edição 2017.
Arquitetos, paisagistas, agrônomos, biólogos e demais profissionais que atuam na área de planejamento de paisagem interessados em participar poderão entrar no site www.expopaisagismobrasil.com.br e acessar todas as informações para participar.
Serão consideradas as primeiras 30 inscrições, observando-se a ordem cronológica de acordo com a data e horário contidos no e-mail enviado.
 

Patrimônio histórico

A área objeto do concurso é a Praça Jorge Cury, escadaria, mirante, jardins laterais e acesso ao Parque da Aclimação em São Paulo/SP, com cerca de 3.800 m2, tombada como patrimônio histórico pelo CONDEPHAAT em 1986.
Após a confirmação da inscrição, os candidatos devem entregar a Proposta de Anteprojeto Paisagístico, pessoalmente ou por Correio, até às 17h do dia 31 de julho, na sede da Francal Feiras (Avenida Zaki Narchi, 500 – Torre III – Vila Guilherme – 02029-000 – São Paulo – SP).
A documentação a ser entregue, em formato digital (pen-drive) e impressa, inclui breve currículo e foto do participante, o anteprojeto (planta baixa, detalhes, cortes, em escala métrica decimal), eventuais fotografias, esquema gráfico e perspectivas que possam colaborar para a compreensão, definição das espécies vegetais a serem utilizadas, motivação da escolha e outras observações relevantes à compreensão do projeto, ficha de inscrição, declaração e indicação de patrocínio (se for o caso). Os documentos estão disponíveis no site da ANP (www.anponline.org.br).
O anteprojeto deve conter todas as diretrizes do projeto paisagístico e não pode ter valor de implantação superior a R$ 350.000,00 (trezentos e cinquenta mil reais). Caso o valor seja superior, o participante deverá indicar os patrocinadores que honrarão com a diferença. O projeto executivo e eventuais projetos complementares serão feitos no momento da implantação e remunerados em 4% do valor estimado.
Para viabilizar a confecção do anteprojeto, a página disponibiliza fotos e planta baixa da Praça Jorge Cury. O levantamento topográfico, arborização urbana, dados geográficos e urbanos podem ser consultados no Mapa Digital da Cidade de São Paulo, no endereço eletrônico http://geosampa.prefeitura.sp.gov.br/PaginasPublicas/_SBC.aspx (dar zoom em região: Sé / bairro Liberdade / Parque da Aclimação).
 

Julgamento e prêmios

A Banca Julgadora do 5º Concurso de Nacional de Paisagismo Urbano é composta por Tamires Oliveira, Diretora de DEPAVE-1 Projetos e Obras da Secretaria do Meio Ambiente do Município de São Paulo; um representante da Prefeitura da Sé, um representante do CONPRESP, Eliana Azevedo, paisagista e presidente da ANP; João Jadão, paisagista da ANP; Marcelo Novaes, arquiteto-paisagista da Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP – SP); e um representante do Green Building Council – Brazil.
Para a escolha dos projetos vencedores, serão considerados como critério a criatividade/estética, sustentabilidade/preservação ambiental, impacto sociocultural, funcionalidade, segurança e viabilidade/manutenção. A lista com os finalistas será divulgada no site da ANP no dia 14 de agosto, e os dois vencedores (primeiro e segundo lugares) serão conhecidos em cerimônia de premiação no dia 17, durante a realização da Expo Paisagismo Brasil – Feira de Paisagismo, Arquitetura Sustentável e Outdoor Living (de 15 a 18 de agosto, no Expo Center Norte, em São Paulo).
O primeiro colocado receberá como prêmio quatro estadias em apartamento duplo no Casa Grande Hotel Guarujá, em São Paulo, e um programa AutoLandscape 2017 da AuE Soluções, enquanto o segundo colocado ganhará um programa AutoLandscape 2017 da AuE Soluções.
Além disso, o projeto vencedor poderá ser implantado pela Prefeitura de São Paulo, ainda que em etapas e de acordo com as possibilidades financeiras ou possível parceria público-privada, após aprovação pelo CONPRESP – Conselho Municipal do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo. O autor do projeto será chamado a desenvolver o projeto executivo, implementar alterações que possam vir a ser solicitadas pelo CONPRESP e acompanhar a implantação da obra.
Com isso, o 5º Concurso Nacional de Paisagismo Urbano quer transformar a área da Praça Jorge Cury num Projeto Piloto que servirá de base para demais municípios, a fim de demonstrar a importância do planejamento adequado das interferências no paisagismo urbano e a necessidade de preservar a história, cultura paisagens de uma região.
 

Sobre a Expo Paisagismo Brasil

Único evento profissional do setor e palco para debates importantes, a Expo Paisagismo Brasil, de 15 a 18 de agosto, no Expo Center Norte, nasceu para atender à crescente demanda de paisagistas, arquitetos, decoradores, lojas especializadas e profissionais das áreas de lazer, hotéis e resorts, academias, clubes e parques de diversões por um evento que reúna soluções inovadoras, conteúdo de qualidade, oportunidades de networking e lançamentos.
 

SERVIÇO

5º Concurso Nacional de Paisagismo Urbano – ANP – Edição 2017
Inscrições: até 30 de junho pelo e-mail secretaria@anponline.org.br
Investimento: R$ 50,00 para associados da ANP e R$ 250,00 para demais profissionais
Informações, regulamento completo e demais documentos estão disponíveis no site www.anponline.org.br.
Divulgação dos finalistas: 14 de agosto
Cerimônia de premiação: 17 de agosto, durante a Expo Paisagismo Brasil, no Expo Center Norte, em São Paulo.
Idealização: ANP – Associação Nacional de Paisagismo
Realização: ANP – Assoc. Nacional de Paisagismo, Prefeitura de São Paulo e Francal Feiras
Apoio: AuE Soluções, Casa Grande Resort & SPA Hotel e GBC – Green Building Council – Brazil
EXPO PAISAGISMO BRASIL – Feira de Paisagismo, Arquitetura Sustentável e Outdoor Living
Evento simultâneo: EXPOLAZER 2017 – Feira Internacional de Piscinas, Spas, Decoração e Wellness
Data: 15 a 18 de agosto (terça a sexta-feira)
Horário: das 13h às 21h
Local: Expo Center Norte
Promoção/Organização: Francal Feiras
Colaboração: ANP – Associação Nacional de Paisagistas
Apoio: ABLA – Associação Brasileira de Lojas de Aquariofilia
Informações pelo telefone: (11) 2226-3100
www.expopaisagismobrasil.com.br
ENTRADA GRATUITA. CREDENCIAMENTO ANTECIPADO PELO SITE

Fonte:
Segs

Leia Mais

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

Inscrições abertas para o concurso Volkswagen "Talento Design 2017"

Inscrições abertas para o concurso Volkswagen "Talento Design 2017"

A Volkswagen inicia nesta semana as inscrições do concurso “Talento Design”, que oferece aos vencedores a oportunidade de estagiar por um ano no departamento de Design da Volkswagen em São Bernardo do Campo (SP), vivenciando e participando do dia a dia dos profissionais que desenvolvem os automóveis da marca.
As inscrições foram abertas nesta segunda-feira 22 de maio e podem ser realizadas até o dia 02 de julho – o estudante deverá fazer o download da ficha cadastral pelo site www.volkswagen.com.br/design e encaminhá-la, preenchida e com um memorial descritivo do projeto, para o e-mail talentovwdesign@volkswagen.com.br.
O concurso destina-se aos estudantes universitários, maiores de 18 anos, matriculados em 2018 no último ano do curso de: Desenho Industrial com habilitação em Projeto de Produto e/ou Programação Visual; ou Design de Produto; ou Design Gráfico; ou Design de Interiores e Acabamentos; ou Moda; ou Arquitetura em Instituições de Ensino Superior registradas no Ministério da Educação (MEC).
O tema da 19ª edição do evento é “Visões do Amanhã”, que desafia os candidatos a imaginar como será um novo modelo Volkswagen que valorize a conexão do homem com a natureza e com a tecnologia em um futuro próximo.
Shape Design e Color&Trim
O “Talento Design” oferece quatro vagas de estágio em duas modalidades: Shape Design (três vagas) e Color&Trim (uma vaga). A categoria Shape Design é a área do design que desenvolve novos conceitos estéticos do produto, aliando-os diretamente com sua funcionalidade e a integração com os anseios do consumidor.
Os profissionais de Color&Trim cuidam sobretudo de potencializar a inter-relação de usuário e automóvel. Entre suas atividades estão o desenvolvimento de cores e acabamentos para externos e internos, elaborar figurinos para bancos, revestimentos, logotipos e apliques gráficos e texturas para diferentes superfícies.
Na primeira etapa do concurso, serão selecionados 20 projetos de Shape Design e 10 de Color&Trim, cujos autores farão uma visita à fábrica da Volkswagen, onde passarão por entrevistas e provas de aptidão. Do grupo inicial, serão escolhidos 10 finalistas de Shape Design e cinco de Color&Trim, que no dia 10 de outubro farão defesa final de seus projetos e a apresentação dos protótipos.
Para informações sobre a Volkswagen do Brasil, acesse: www.imprensavw.com.br

Leia Mais

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

Que área de engenharia rende o maior salário? Pesquisa responde

Que área de engenharia rende o maior salário? Pesquisa responde

Engenheiros têm piso salarial definido por lei federal (4.950-A/66) e a remuneração deve corresponder a 8,5 salários mínimos para jornada de oito horas. Assim, profissionais não devem ganhar menos do que 7.964,50 reais se trabalharem período integral. Para quem trabalhar sete horas, o piso é de 6.793,25 reais e para seis horas por dia são 5.622 reais.
Pesquisa realizada pela Love Mondays, mostra a média salarial de 7.666 reais praticada para engenheiros, no geral, sem definição de especificação. A variação, no entanto, é bem ampla. Entre os 3.241 salários divulgados por usuários engenheiros da plataforma há desde remunerações de mil reais a 30,5 mil.
Mas, entre os engenheiros que determinam habilitações na hora de divulgar salário – como por exemplo, civil, mecânicos, eletricista, entre outros – a variação é de 4.628 reais a 15.126 reais. E dentro dessa amostragem foram calculadas as médias para cada uma das 20 áreas de engenharia.
Confira quais as áreas de engenharia que pagam mais e menos a seus profissionais. A pesquisa considerou apenas cargos com no mínimo de 7 salários divulgados.

Os salários dos engenheiros em 20 áreas:

  • Engenheiro de petróleo: salário de R$ 15.126/mensal (Média com base em 35 salários)
  • Engenheiro de Segurança do Trabalho: salário de R$ 8.024/mensal (Média com base em 144 salários)
  • Engenheiro de Minas: salário de R$ 7.768/mensal (Média com base em 17 salários)
  • Engenheiro naval: salário de R$ 7.559/mensal (Média com base em 8 salários)
  • Engenheiro mecânico: salário de R$ 7.546/mensal (Média com base em 261 salários)
  • Engenheiro civil: salário de R$ 7.325/mensal (Média com base em 1082 salários)
  • Engenheiro de produção: salário de R$ 7.312/mensal (Média com base em 133 salários)
  • Engenheiro de telecomunicações: salário de R$ 7.080/mensal (Média com base em 31 salários)
  • Engenheiro eletricista: salário de R$ 7.043/mensal (Média com base em 276 salários)
  • Engenheiro químico: salário de R$ 7.009/mensal (Média com base em 70 salários)
  • Engenheiro agrícola: salário de R$ 6.897/mensal (Média com base em 7 salários)
  • Engenheiro de software: salário de R$ 6.648/mensal (Média com base em 361 salários)
  • Engenheiro industrial:  salário de R$ 6.571/mensal (Média com base em 20 salários)
  • Engenheiro mecatrônico: salário de R$ 6.310/mensal (Média com base em 9 salários)
  • Engenheiro ambiental: salário de R$ 6.234/mensal (Média com base em 82 salários)
  • Engenheiro de controle e automação: salário de R$ 5.992/mensal (Média com base em 13 salários)
  • Engenheiro florestal: salário de R$ 5.966/mensal (Média com base em 19 salários)
  • Engenheiro aeronáutico: salário de R$ 5.526/mensal (Média com base em 8 salários)
  • Engenheiro de alimentos: salário de R$ 4.878/mensal (Média com base em 18 salários)
  • Engenheiro sanitarista: salário de R$ 4.628/mensal (Média com base em 7 salários)
Fonte:
Exame.com

Leia Mais

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

Rio de Janeiro terá primeiro laboratório brasileiro de cidades inteligentes

Rio de Janeiro terá primeiro laboratório brasileiro de cidades inteligentes

O Rio de Janeiro será a primeira cidade do Brasil a sediar um laboratório focado no estudo de cidades inteligentes. A iniciativa é resultado de um acordo de cooperação técnica entre a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e o Instituto Nacional de Metereologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), no valor de R$ 2,5 milhões. O espaço servirá para a realização de pesquisas, certificações e testes de tecnologias criadas para as smart cities.
Dentro do laboratório haverá também uma mini cidade para simulações em ambiente controlado, visando a observação e elaboração de critérios técnicos, padrões e procedimentos de conformidade que possam facilitar a aplicabilidade destas inovações nas cidades.
Na prática, a proposta visa oferecer soluções para demandas como a integração da iluminação pública com mobilidade urbana e a prevenção de desastres, por exemplo. Outra atividade possível seria o controle de serviços urbanos, como luz, água, gás, saneamento de forma inteligente e unificada. O desafio é preparar um ambiente que aceite a integração do maior número possível de tecnologias, a partir da identificação do que já está disponível no mercado nacional.
O presidente do ABDI, Guto Ferreira, aponta que as cidades estão mudando muito rapidamente e dentro de dez anos não serão mais as mesmas, portanto, o potencial ainda inexplorado nas cidades da América Latina dos assuntos ligados às smart cities deve ser aproveitado. Para Ferreira, o país tem toda as ferramentas necessárias e a capacidade de assumir protagonismo na área e o laboratório que será criado no Rio de Janeiro é uma grande oportunidade para isso.

Leia Mais

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

Autodesk firma parceria com MakerBot para fomentar adoção de impressão 3D

Autodesk firma parceria com MakerBot para fomentar adoção de impressão 3D

A Autodesk e a MakerBot vão oferecer um ano de assinatura gratuita do software de modelagem Autodesk Fusion 360 para cada impressora MakerBot adquirida (modelos Replicator Mini, Replicator+ e Z18) no mercado brasileiro.
A parceria, anunciada recentemente pelas duas companhias, tem como objetivo fomentar a adoção da impressão 3D na indústria educacional e profissional.
Desenvolvido completamente na nuvem, o Fusion 360 é uma ferramenta de CAD, CAE e CAM que se propõe a projetar, simular e enviar projetos para uma impressora 3D em um único ambiente.
A ferramenta consegue atender desde um empreendedor que busca desenvolver um protótipo simples como uma indústria mais madura.

Para Felipe Rosales, Diretor Geral da MakerBot América Latina, a parceria com a Autodesk ajuda a impulsionar a adoção da impressão 3D como ferramenta em diversas indústrias locais como para prototipagem rápida de plásticos, brinquedos, embalagens, metal, educacional, área médica, automotiva, aeroespacial, ferramental, arquitetura, artes gráficas, além de pessoas físicas e laboratórios de fabricação (fab labs).
A parceria acontece em um momento estratégico: de acordo com a consultoria Delloitte no ano de 2016 o mercado de impressão 3D movimentou cerca de 5 bilhões de dólares em todo o mundo.
A parceria está disponível por meio da rede de revendas da MakerBot no Brasil.
Fonte:
IdgNow!

Leia Mais

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

Com o Advento do Revit, porque preciso saber AutoCAD?

Com o Advento do Revit, porque preciso saber AutoCAD?

Com o Advento do Revit, porque preciso saber AutoCAD?

De acordo com pesquisa de 2015, 80% dos escritórios utilizam Autocad no dia a dia, então, se o intuito é conseguir um estágio, o AutoCad se torna imprescindível, pois aumentam suas chances.
Se você já é formado, 80% dos escritórios enviarão à você arquivos em CAD, logo, você deverá saber ao menos ferramentas básicas para poder manuseá-los.

Clique aqui e confira pesquisa na Integra (em inglês)

Leia Mais

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

Hello Wood Argentina 2017: Festival de arquitetura em madeira

Hello Wood Argentina 2017: Festival de arquitetura em madeira

Hello Wood é uma plataforma educativa internacional e independente que organiza o programa de Arquitetura e Design mais inovador da Europa. Nasceu na Hungria em 2010, como um acampamento de arquitetura, arte e design, e cresceu até converter-se no que é hoje, um programa único reconhecido mundialmente.

Cortesía de Hello Wood Argentina
Cortesía de Hello Wood Argentina
 

Consiste em um festival onde se propõe uma aproximação à construção, fomentando a interação entre estudantes e profissionais, criando um vínculo de comunidade e compromisso social. Todos os projetos são compartilhados, desenvolvidos e construídos em um processo colaborativo durante 8 dias. Promovendo a ideia de pensar com as mãos, Hello Wood transita o processo entre um conceito, seu projeto e sua materialização final.

Cortesía de Hello Wood Argentina

Cortesía de Hello Wood Argentina
 

“Na  carreira de arquitetura, é difícil a realização de protótipos 1:1. É por isso que em Hello Wood planejamos um método de aprendizagem através da experiência. Guiados por arquitetos reconhecidos, os estudantes conseguem uma aproximação à construção em madeira, atravessando todas as etapas e avaliando as mudanças necessárias frente a problemáticas que se apresentam durante a construção.” Mecha Palacio, Fundadora da TACADI.

Cortesía de Hello Wood Argentina

Cortesía de Hello Wood Argentina
 

Entre 4 e 12 de março de 2017 150 estudantes, arquitetos e projetistas de todo o país se reuniram na Estancia La Azotea em Ceibas, Entre Ríos, para tornar realidade suas ideias na primeira edição na Argentina. Hello Wood chegou por meio de TACADI e MANDARiNA, os sócios locais que se uniram para trazer essa experiência internacional.

Hello Wood Argentina 2017: Festival de arquitetura em madeira, Cortesía de Hello Wood Argentina

Cortesía de Hello Wood Argentina
 

A missão do Hello Wood é proporcionar a oportunidade aos estudantes de testar a teoria na vida real. A filosofia de Hello Wood é que o trabalho de campo seja uma alternativa, uma nova forma de estudar que completa os sistemas tradicionais de educação universitária. Peter Pozsar, co-fundados de Hello Wood.

Cortesía de Hello Wood Argentina
Cortesía de Hello Wood Argentina

 

CON-TACTO 2017

O tópico eleito para a primeira edição foi “CON-TACTO”. O contato abordado desde os sentidos e os sentimentos. Os vínculos, enlaces e encontros gerados quando há algum tipo de relação entre duas ou mais pessoas, objetos ou teorias; esses momentos foram o objetivo desta primeira experiência.

© Fernando Schapochnik

© Fernando Schapochnik
 

Primeiro ano na Argentina, primeira vez de Hello Wood fora de Budapeste. Nossa proposta é conhecermos. Por isso ‘con-tacto’ quer dizer romper barreiras, aproximar-nos, focar nas relações, nos sentidos e na experiência, aspectos fundamentais na hora de pensar e desenvolvermos criativa e socialmente. O contato com a natureza, as ferramentas, a madeira, a arquitetura e o design, são parte da experiência que propusemos viver em Hello Wood. Marcos Llerena, CEO e fundador de MANDARiNA e um dos sócios locais.

Cortesía de Hello Wood Argentina

Cortesía de Hello Wood Argentina
 

Nossos projetos

  • Edificio para Ceremonias Desconocidas  –  Formosa
  • Refugio  – Ventura Virzi
  • Estructura Expandida – Monoblock
  • Fragata Natura – Carlos Campos e Silvana Ovsejevich
  • NOPASSANA – IR Arquitectura
  • Una Ola – Santiago Perez de Muro
  • Vacuna – Camila Marin e Ramiro Torres Lacroze
  • Sombra Pampa – Marantz Arquitectura
  • Pa’dentrero – Estudio Maleza
  • Coloquio – Cesar de Lucca

© Fernando Schapochnik

© Fernando Schapochnik
 

Para a seleção dos projetos contamos com a curadoria do Arq. Jaime Grinberg, convidado pela organização. O critério de seleção foi buscar projetos com conceitos fortes que geram espaços que estão em “con-tacto”, ou tradicional, funcional, utópico ou idealizado. Simples e natural, viável de construir em uma semana por uma equipe de estudantes e respeitando a quantidade de madeira dispostos de 1,2 km linear por projeto.

Cortesía de Hello Wood Argentina

Cortesía de Hello Wood Argentina
 

Todo objeto projetado é entendido como o resultado de um processo de desenvolvimento e pesquisa. Este é um claro exemplo do que aconteceu em Hello Wood: 10 projetos com caminhos diferentes, regidos por diferentes condições e premissas, geraram um produto final inovador enriquecedor que propõe novas maneiras de relacionar-se, experimentar e habitar. Bea Palacio, TACADI Fundador.

Nossa visão

A arquitetura implica poder dar resposta a constantes perguntas que surgem a partir do conceitual e social, bem como no projetual e construtivo. Hello Wood procura ensinar a resolver estes problemas cotidianos da nossa prática criativa e coletiva. Há muitas respostas certas para a mesma pergunta, por isso que as perguntas me atraem mais. Jerónimo Fanelli, Fundador TACADI.

© Fernando Schapochnik

© Fernando Schapochnik
 

Por isso Hello Wood é uma oportunidade profundamente democrática de conectar diferentes gerações de arquitetos, projetistas e criadores com diversas atividades culturais, acadêmicas e profissionais. Paralelamente à construção dos projetos, procuramos construir um contato com a comunidade, promovendo o desenvolvimento de um processo educativo inovador.

Cortesía de Hello Wood Argentina

Cortesía de Hello Wood Argentina
 

Nós procuramos um conceito homogêneo onde a gênese seja futurista e sustentável. Por isso buscamos o apoio de uma empresa como a Masisa, que, como principal patrocinador forneceu apoio com toda a madeira de pinus certificada FSC e OHSAS.

© Fernando Schapochnik

© Fernando Schapochnik
 

Em Hello Wood, o processo e a experiência no campo têm tanto valor como o resultado final. É extremamente estimulante e motivador ver que em um período de tempo os arquitetos e estudantes trabalham em conjunto, inspirando-se e potencializando uns aos outros em um projeto comum.

© Fernando Schapochnik

© Fernando Schapochnik
© Fernando Schapochnik

© Fernando Schapochnik
 

O que ocorreu entre 4 e 12 de março em Ceibas?

Por 8 dias, as equipes de 10 projetos foram dedicados a realizar a aventura de aprender com as mãos. Iniciaram o dia com o café às 7h30 e a partir das 08h30 iniciavam os trabalhos.

Os meios dias eram para um almoço de equipe no local de trabalho, para permanecer ativo e não perder o ritmo; sanduíches sempre em movimento. A motivação das equipes nos surpreendeu, já que só paravam de trabalhar com o pôr do sol. À noite, tivemos palestras e workshops dos líderes participantes, juntamente com alguns convidados. Assim acabamos moldando experiências práticas com alguns fundamentos teóricos.

© Fernando Schapochnik

© Fernando Schapochnik
 

Como são 8 dias longos, contemplamos dias de chuva e alguns imprevistos próprios de dinâmicas de trabalho em equipe, onde os membros se conheceram ao chegar, e é por isso que com o apoio de Sullair Cultura e suas equipes foram capazes de continuar uma das noites com uma espécie de dupla jornada na construção. Foi um dia especial onde uma energia incrível também foi gerada por todas as equipes.

Cortesía de Hello Wood Argentina

Cortesía de Hello Wood Argentina
 

O último dia foi deixado para os ajustes finais na manhã e já depois do meio-dia fez-se o passeio oficial pelos projetos finalizados, devidamente protegidos para suportarem as intempéries. Durante a tarde um churrasco fechou a semana.

  • Texto escrito por Hello Wood Argentina 2017
Fonte:
Archidaily

Leia Mais

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.