Escolha uma Página
Qual o papel do arquiteto na segurança contra incêndio?
Fabio Guisso
12 de junho de 2017
“Segurança em primeiro lugar”. Esse é um dos lemas da área da arquitetura e urbanismo. E, para que o ambiente projetado seja seguro em todas as suas possibilidades, é fundamental que o profissional que o está desenvolvendo tenha, em mãos, um excelente PPCI – Plano de Prevenção e Proteção contra Incêndio. Obrigatório, o PPCI deve sempre ser desenvolvido juntamente com o projeto de arquitetura do espaço, garantindo assim sua total eficiência em paralelo à segurança da edificação e de seus usuários.
Contribuindo ativamente com a elaboração do plano, o arquiteto tem total conhecimento técnico e capacidade de colaborar com indicações precisas a respeito de rotas de fugas e especificações de materiais e revestimentos adequados. Tanto que a Resolução 21 do CAU/BR trata exatamente deste ponto: apontar como uma das atividades e atribuições profissionais do arquiteto e urbanista a elaboração de projeto de sistemas prediais de proteção e combate a incêndios e catástrofes.
No Brasil, o órgão regulamentador é o Corpo de Bombeiros, sendo responsável pelo planejamento, análise, aprovação e fiscalização das instalações e equipamentos de prevenção e combate a incêndio. Com regulamentações estaduais, a única corporação que não reconhece a qualificação técnica dos profissionais graduados em arquitetura e urbanismo para a criação deste tipo de projeto é o CBMERJ (Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro). Em toda a região fluminense, apenas os profissionais que possuem especialização em Engenharia e Segurança do Trabalho estão autorizados a criar o PPCI. Mas esta é uma questão que vem sendo debatida arduamente pelo CAU/RJ e que em breve deve apresentar novidades.
Um PPCI adequa e regulariza as edificações atendendo sempre aos padrões normativos brasileiros, lembrando, sempre, que cada tipo de edificação tem uma classificação específica que determina o grau de risco de incêndio e os equipamentos necessários para a proteção dos prédios e de seus usuários.
Além das normas brasileiras que ditam as regras para instalação de portas corta-fogo e saídas de emergência, sistemas de iluminação de emergência, instalação de hidrantes e mangotinhos, é papel do arquiteto estar sempre atento às novidades oferecidas por este mercado na busca por melhorias neste processo. “Hoje temos produtos e vernizes específicos que retardam as chamas e podem ser aplicados em madeira, tecido, carpetes e diversos outros materiais. Além disso há, também, as tintas intumescentes contra o fogo e a propagação das chamas; e os selantes corta-fogo que são aplicados em tubulações, juntas, cabeamentos elétricos e fissuras”, comenta Sandra Pompermayer, arquiteta e urbanista da USF – Itatiba Design.
Lembrando que todas as obras arquitetônicas, com exceção das residências unifamiliares, devem contar com um Laudo de Proteção Contra Incêndio, arquitetos e designers especialistas na elaboração de espaços comerciais devem ficar ainda mais atentos à elaboração destes projetos. Para orientá-los, além das normas gerais é interessante manter-se atualizado quanto às regras estipuladas pelo Ministério do Trabalho e do Emprego como, por exemplo, a NR23 que trata da proteção contra incêndio para locais de trabalho. Ou seja, em projetos corporativos, é interessante que o arquiteto considere a divisão do edifício em células, evitando o fácil alastramento do fogo; considere a implantação de barreiras; respeite o número mínimo de saídas de emergência e a distância máxima a percorrer até uma delas, entre outros pontos de destaque.
Para os interessados em conhecer mais a respeito das regras relacionadas à elaboração do PPCI, deixamos uma dica: acompanhar as publicações e atividades do Grupo de Fomento à Segurança Contra Incêndio, um grupo que integra o núcleo de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo) e é formado por pesquisadores e profissionais da área, com destaque para Rosária Ono, especialista em segurança contra incêndio e professora da FAUUSP e Ualfrido del Carlo, professor titular aposentado na Universidade de São Paulo, vinculado à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo desde 1964.
Arquitetos - Projeto contra incêndio

Leia Mais

Nenhum resultado encontrado

A página que você solicitou não foi encontrada. Tente refinar sua pesquisa, ou use a navegação acima para localizar a postagem.

Posts Relacionados

A versatilidade do Sketchup

A versatilidade do Sketchup

Milhares de pessoas utilizam o SketchUp pela facilidade de uso e por ser um software utilizado para conceber uma ideia, como uma ferramenta de venda ou para iniciar e finalizar seus projetos. Ou seja, aprender a usar este software CAD é uma ótima oportunidade para você ter rapidez ao criar e mostrar suas ideias de forma bastante convincente, principalmente na área de engenharia e arquitetura.

Sete coisas que arquitetos e urbanistas precisam saber sobre a tecnologia BIM

Sete coisas que arquitetos e urbanistas precisam saber sobre a tecnologia BIM

Arquitetura e Urbanismo é um dos mercados que mais evolui de acordo com os novos desenvolvimentos tecnológicos. É assim com o maquinário pesado usado na construção, com os materiais de obra e também com as ferramentas de projeto. Hoje essa evolução está relacionada à tecnologia BIM. Essa é a sigla para Building Information Modeling, ou Modelagem da Informação da Construção. Trata-se de um método de trabalho que reúne, por meio de ferramentas digitais, todas as informações que dizem respeito à construção de um edifício.

Monitoria Pós-Treinamento

Monitoria Pós-Treinamento

Aqui Na Multi Núcleo é diferente!
Além de queremos novos clientes é claro, nossa preocupação está no pós-treinamento, que é onde o aluno vai aplicar o que aprendeu em aula em um projeto acadêmico ou profissional.